Bolsonaro diz em Davos que vai “abrir economia” e prioriza reformas econômicas

O presidente Jair Bolsonaro (PSL), afirmou, durante discurso no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, que pretende “abrir a economia” do Brasil. Bolsonaro fez um rápido discurso e não deu detalhes sobre as reformas da Previdência e tributária, que afirmou pretender fazer quando questionado quais seriam os passos concretos para melhorar a economia nacional. O presidente afirmou que quer o Brasil como um dos 50 melhores destinos para investir.

Em sua primeira viagem internacional, Bolsonaro apostou em um discurso curto e não entrou em detalhes sobre suas propostas para “abrir a economia”. Questionado pelo presidente do Fórum de Davos, Klaus Schwab, sobre quais seriam suas propostas concretas para a economia, Bolsonaro citou as reformas da Previdência e tributária, para “tirar o peso” da carga de impostos, mas não especificou nenhum dos temas.

Bolsonaro também afirmou que a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento econômico “são interdependentes e indissociáveis”. Segundo ele, apenas 9% do solo nacional é destinado à agricultura e 20% à agropecuária. “Nossa missão agora é avançar na compatibilização entre a preservação do meio ambiente e da biodiversidade com o necessário desenvolvimento econômico”, afirmou no discurso.

Quando questionado por Schwab sobre os planos sobre crescimento econômico e sustentabilidade – um dos principais tema de deste ano em Davos -, Bolsonaro também foi genérico ao responder que “o que pudermos aperfeiçoar, o faremos”.

Bolsonaro enfatizou ainda e escolha de ministros considerados técnicos. Questionado sobre combate à corrupção, Bolsonaro disse que o ministro da Justiça, Sergio Moro, tem uma missão e terá “todos os meios para combate à corrupção e crime organizado”.

O presidente também repetiu o tom de sua campanha ao falar sobre “tirar viés ideológico” de pontos como relação do Brasil com outros países, especialmente com os integrantes do Mercosul, e na economia.

Os ministros Moro, Paulo Guedes (Economia) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores) acompanham Bolsonaro no Fórum Econômico.

FONTE : CONGRESSO EM FOCO (UOL)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *