Estudo analisa 50 anos de comércio de aves na Amazônia

Cambridge, Reino Unido, 16 de janeiro de 2019 — A África do Sul foi o maior exportador mundial de papagaios sul-americanos entre 2000 e 2013, depois que os países da Amazônia “abandonaram a possibilidade de produzir e exportar legalmente e competitivamente sua vida selvagem”. Isso é o que revela um novo estudo sobre comércio de aves da América Latina produzido pela TRAFFIC com apoio do WWF.
  “Bird’s-eye view: Lessons from 50 years of bird trade regulation & conservation in Amazon countries” (ou  em tradução livre – Vista Aérea: Lições dos 50 anos de regulamentação e conservação do comércio de aves nos países da Amazônia), oferece um panorama sobre o  comércio de aves no Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru e Suriname e as ameaças à conservação representada pelo excessivo comércio internacional de espécies. 

Cambridge, Reino Unido, 16 de janeiro de 2019 — A África do Sul foi o maior exportador mundial de papagaios sul-americanos entre 2000 e 2013, depois que os países da Amazônia “abandonaram a possibilidade de produzir e exportar legalmente e competitivamente sua vida selvagem”. Isso é o que revela um novo estudo sobre comércio de aves da América Latina produzido pela TRAFFIC com apoio do WWF.
  “Bird’s-eye view: Lessons from 50 years of bird trade regulation & conservation in Amazon countries” (ou  em tradução livre – Vista Aérea: Lições dos 50 anos de regulamentação e conservação do comércio de aves nos países da Amazônia), oferece um panorama sobre o  comércio de aves no Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru e Suriname e as ameaças à conservação representada pelo excessivo comércio internacional de espécies. 

FONTE : WWF BRASIL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *