Há 4 meses, MAC suspendia atividades por conta da pandemia

No dia 16 de março (há quatro meses), o Marília Atlético Clube (MAC) suspendia suas atividades após a paralisação do Campeonato Paulista da Série A-3, por conta da pandemia do coronavirus.

Dois dias antes do encerramento dos trabalhos, o Alviceleste era derrotado pelo Comercial pelo placar de 3 a 0, no estádio Palma Travassos, em Ribeirão Preto. O resultado deixou o time na vice-lanterna (11 pontos) e culminou na demissão do diretor executivo Diego Cope.

Naquele momento o ‘fantasma’ do rebaixamento se aproximava e na coletiva após a partida, o técnico Guilherme Alves lamentou a saída de Diego Cope e também não sabia se iria permanecer no cargo.

“Estou triste não só pela derrota, mas pela demissão de um profissional honesto como é o Diego Cope. Hoje é ele quem cai, mas se sábado que vem nós não vencermos, o próximo sou eu. Não estou jogando a toalha, mas no futebol é assim, quando as coisas não funcionam, acontece a troca”, declarou na ocasião.

Na derrota para o Comercial, o Marília chegava ao terceiro jogo consecutivo sem vencer. Após 11 partidas, o time tinha o segundo pior ataque da competição, com apenas sete gols marcados (média de 0,6) e só tinha conquistado duas vitórias, sendo o recordista de empates entre os 16 participantes, com cinco placares iguais. O único número positivo era o de terceira melhor defesa, com somente dez gols sofridos.

Elenco remodelado – Quatro meses depois e ainda sem uma definição para a volta da Série A-3, o MAC ainda possui os mesmos números, mas com praticamente tudo mudado, o que lhe deu até a confiança de pensar em uma classificação para as quartas de final, já que apesar da vice-lanterna, o time está só a três pontos do 8º colocado (Desportivo Brasil) e restam quatro rodadas.

A mudança maqueana atingiu três setores: diretoria, comissão técnica e principalmente o elenco de atletas. Ex-empresário e há dois anos voltado para a função de dirigente, Vagner Silva foi ‘tirado’ do Assisense (clube da 4ª Divisão), para assumir o cargo de diretor executivo.

Na comissão técnica apenas o preparador de goleiros não permaneceu e o novo profissional ainda não foi anunciado. Com o técnico Guilherme Alves seguem o auxiliar Paulo César, o “PC”, e o preparador físico Eduardo Pascoal.

Em relação ao elenco, dos 26 nomes que estavam inscritos na listagem principal, somente oito (30%) permaneceram: os goleiros Thiago Moraes, Igor Castro e Felipe Mosquete; o lateral-esquerdo Edu Pina, os volantes Fabrício e Levi; e os atacantes Lucas Formiga e Wellington.

Também ficou o meia-atacante Kelvy, que nem chegou a ser inscrito por conta de uma lesão no tornozelo, e o centroavante Gustavo Nescau, que faz parte da ‘Lista B’ (categoria de base).

Reforços – Até ontem, o Marília havia reforçado o elenco para a volta da Série A-3 com 11 atletas, que estão com pré-contrato assinado.

Destes, seis já tiveram seus nomes ‘descobertos’ pela imprensa: o zagueiro Moisés Lucas (Novo Hamburgo-RS), o lateral-direito Everaldo Potiguar (PSTC-PR), os volantes Junior Santos (Macaé-RJ) e Léo Couto (PSTC-PR), o meia Mossoró (Novo Hamburgo-RS) e o centroavante Alison Mira (Novo Hamburgo-RS), que com o consentimento do MAC, assinou contrato de dois anos com o Manaus-AM (Brasileiro Série C), que o emprestará para o estadual.

Os quatro últimos adversário do Alviceleste são: Grêmio Osasco (13º colocado) em casa, Capivariano (4º) fora, Desportivo Brasil (8º) no Abreuzão e Barretos (12º) como visitante.

FONTE : JORNAL DA MANHÃ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *